Últimas Notícias
Search

Chuvas - Barragem de Brotas em Afogados chega a 64% de capacidade.

As chuvas que caíram em Pernambuco nos últimos dias ainda não foram suficientes para modificar a situação dos reservatórios no Estado, especialmente no Agreste, região mais castigada pela seca atualmente.

Jucazinho, no município de Surubim, por exemplo, ainda está com nível de acúmulo de água de 4%, correspondente a 13 milhões de metros cúbicos. A capacidade é de 327 milhões de metros cúbicos de água. Este é o maior reservatório para abastecimento humano do Agreste e atende a 15 municípios da região. 
Papelaria_Santa_AnaAs chuvas também não afetaram a barragem do Bitury, que continua em situação de pré-colapso. O reservatório fica em Belo Jardim, também no Agreste. 
Aplicativo do Blog do Pereira.Net
“As chuvas registradas recentemente não foram suficientes para fazer os rios correrem para as barragens. Se continuar chovendo, aí sim o terreno fica saturado e os rios podem aumentar de volume. É época de chuva no Sertão. No Agreste, a quadra começa em abril. Se vier chuva fora de época, é lucro pra gente, mas é difícil prever”, comenta o diretor Regional do Interior da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Marconi de Azevedo. 
Loja_Cyte_ManiaNo Agreste, apenas a barragem de Riacho da Palha, no município de Lagoa de Ouro, captou água. A cidade de 12 mil habitantes estava há um mês em rodízio e, hoje, o abastecimento voltou a ser 24 horas.
WhatSapp do Blog do Pereira.Net
Já no Sertão, o destaque é a barragem de Brotas, em Afogados da Ingazeira, que aumentou o volume em 6%. A capacidade total da barragem é de 19,6 milhões de metros cúbicos. Agora está com 64% da sua capacidade.
CNCA situação no Agreste preocupa o setor produtivo, já que a água é essencial para a produção do Polo de Confecções. Na semana passada, os representantes das Câmaras Setoriais de Moda e Produção Têxtil se reuniram com representantes da Compesa. “Pernambuco é o maior produtor de jeans do País. Tem 18% da produção, mas não tem nenhuma fábrica de denim, por causa da situação hídrica. Para levar indústrias de maior porte para o interior do Estado, precisamos de água e energia”, comenta o presidente da AD Diper, Antônio Xavier, que acompanhou a reunião. Interesse para investir por parte das empresas existe. Ele cita a chegada da Pernambuco Têxtil, que vai investir R$ 75,3 milhões na região e gerar 290 vagas para produzir o denim. 
https://twitter.com/blogdopereira10
A Compesa garante que em 24 meses, no máximo, será possível regularizar o abastecimento na região. É o prazo previsto para a operação ao menos de parte da Adutora do Agreste, que deveria ter ficado pronta em 2015, mas ainda se arrasta e depende de recursos do governo federal. 
https://www.instagram.com/kerlaniosilva/
Enquanto isso, outras três obras têm o objetivo de amenizar a ausência da Adutora do Agreste, cuja função é distribuir água da Transposição do Rio São Francisco para os municípios. São elas: a Adutora do Moxotó, que está em fase de testes; a Adutora do Alto Capibaribe, que começou a ser construída recentemente e só deve ser concluída no fim de 2019; e a Adutora do Serro Azul, também em obras. 

“Mesmo se as barragens secarem, as cidades vão continuar a ser abastecidas com água do São Francisco. As obras vão diminuir totalmente a dependência de carros-pipa”, comenta Marconi de Azevedo.



Gilson Pereira

Locutor e apresentador, Blogueiro, Funcionário Público e Acadêmico de Letras.Trabalho - Ocupação Identificador Civil e Criminal


0 “Chuvas - Barragem de Brotas em Afogados chega a 64% de capacidade.